22

jun
Você precisa conhecer a Serra Catarinense

Hoje é dia de falar sobre algo muito especial, é dia de falar sobre a minha viagem do último feriadão (Corpus Christi) com meu namorado. Fomos logo ali, no nosso estado vizinho, Santa Catarina, maravilhoso que só ele. O estado é muito conhecido pelas suas belíssimas praias e faz sucesso durante o verão, mas é no inverno que ele se destaca. Santa Catarina é berço de algumas das cidades mais geladas do país, e fomos exatamente atrás delas, pra ver se, com sorte, veríamos ao menos uma geadinha, qual não foi a nossa surpresa quando na sexta-feira (9) NEVOU, EXATAMENTE onde iríamos na semana seguinte. Óbvio que o frio nos despistou, mas pelo menos tivemos dias incríveis de céu limpinho, mas não vou negar, ainda estou magoadinha, especialmente porque, agora que voltamos, já geou, e estão prevendo neve novamente nessa semana, mas fazer o que, neah!? O que importa é que a viagem foi uma delícia e deu pra aproveitar muito por lá. Separei muitas fotos e dicas do que fazer na região, caso você também esteja atrás de um friozinho.

Saímos de Curitiba na quinta, dia 15, às 7 horas da manhã, de carro, rumo a Lages, onde nos encontraríamos com um amigo do meu namorado, que está morando lá temporariamente. Almoçamos em Lages em um restaurante de comida tropeira super típico chamado Cansian Zambam, que é uma delícia, por sinal. A cidade é de cultura bem tropeira, e em sua refeição, o pinhão é um elemento praticamente obrigatório. Apesar de termos muito pinhão, também, aqui em Curitiba, não temos muito o costume de consumir coisas de pinhão, somente ele cozido ou assado, portanto, em Lages tivemos a oportunidade de apreciar pratos como o entrevero e a farofa de pinhão, que são bem típicos na região. Lá, inclusive, acontece a Festa Nacional do Pinhão, que, coincidentemente (ou não), estava acontecendo lá naquela semana, e acabamos aproveitando para conhecer a festa na quinta à noite. Após o almoço seguimos para São Joaquim, onde ficaríamos hospedados (mais uma vez através do Airbnb), descansamos um pouco (de Curitiba até lá são umas seis horas e meia de viagem) e voltamos a Lages para a festa. Teria show do O Rappa naquela noite, porém, estávamos muito cansados, e acabamos ficando pouco por lá, o suficiente para tomar um quentão maravilhoso e provar bombom e trufa de pinhão. Acabamos não registrando nossa passagem por lá. Acabamos dormindo em Lages mesmo, pois já era bem tarde, e de manhã começamos nossa jornada. Estávamos um pouco desanimados, pois estava muito nublado e a previsão era de sol, como iríamos para o alto de um morro, ficamos preocupados que não teríamos nenhuma vista do lugar. Realmente não tivemos, como vocês podem ver na imagem abaixo, isso atrás foi tudo o que conseguimos apreciar. NEBLINA, NEBLINA, NEBLINA. Continue lendo »


1 comentário


28

nov
Viagem a Ubatuba Parte 2
em Viagem

Nossa primeira saída com sol foi para a Praia do Félix, considerada por muitos a praia mais bela de Ubatuba. Ela é linda mesmo, e tem pontos de árvore em que você não precisa nem levar guarda-sol, podendo aproveitar apenas a sombra das árvores, mas tem que chegar cedo, pois enche. Eu adorei, apesar de termos ficado do lado onde onde o mar é mais forte. Um ponto negativo pra mim foi a maré alta, por volta de meio-dia a maré começa a subir e é aquele “salvem-se quem puder”, é uma correria que só com as coisas pra um outro lugar, pois tem pouca faixa de areia. Após sermos expulsos pela maré alta, decidimos mudar de praia e fomos para a Praia de Itamambuca, que fica ao lado. Paramos pra almoçar e quando chegamos na praia já era uma 4 horas da tarde. Acabamos não aproveitando muito essa outra praia porque a maré estava muito alta e também tinha pouquíssima faixa de areia, além de que o tempo já estava se aprontando pra chuva, então fugimos dela.

Praia do Félix

Praia do Félix

No segundo dia fomos para a Praia do Lázaro, o mar é calmo e a vista é bem bonita, ela é conhecida por ter um belíssimo por do sol, onde o sol desaparece no mar, infelizmente não tivemos a oportunidade de vê-lo. Esse dia estava meio nublado, então não deu pra aproveitar muito, mas deu pra relaxar. Saímos de lá e fomos para a praia vizinha, Domingas Dias, que fica dentro de um condomínio, o acesso é bem bonito. O mar é calmo, mas tem rebentação forte na entrada, a água é super gelada e a areia é bem dura e áspera, além de ter muitas conchas na beira, o que incomoda um pouco no andar por lá e também na hora de entrar no mar, mas a praia é linda, a vista é de encher os olhos. Continue lendo »


0 comentários


25

nov
Viagem a Ubatuba Parte 1
em Viagem

Esse post demorou algum tempo, mas finalmente saiu. Há um mês fiz uma viagem com meu namorado pra Ubatuba, litoral norte de São Paulo, queria já ter postado aqui, mas como sou uma excelente procrastinadora, cá estou eu, um mês depois, e já aviso que vou dividi-lo em duas partes pra não ficar muito cansativo, pois talvez ele fique grande demais. Bem, alugamos um apartamento pelo Airbnb, foi minha primeira experiência com a startup, confesso que eu tinha um certo receio, mas saiu tudo melhor que a encomenda, ufa! O apartamento ficava em Itaguá, região bem central de Ubatuba, perto dos restaurantes, mercados e etc. Tem até um aquário lá (que depois vou falar melhor sobre). Essa praia não é própria pra banho, então lá é só o lugar de badalação mesmo, pra passear, jantar, tomar um sorvetinho e ir às compras. Pegamos uma época bem fria e de bastante chuva, choveu todos os dias, mas conseguimos aproveitar algumas tardes de sol, ainda bem.

Saímos de Curitiba às sete da manhã rumo à Santos, pois iríamos almoçar lá com uma amiga minha, a Isa. Chegamos lá por volta do meio-dia, almoçamos e seguimos com a Isa até o Monumento Tomie Ohtake, na orla da praia, para tirarmos umas fotos. Esse monumento representa um dragão, apesar de não parecer muito, um dragão bem conceitual eu diria, hehe, mas ele é bem bonito, e lá tem um mirante pra praia bem legal, onde tiramos várias fotos. Ficamos lá um tempo, tiramos nossas fotos, e ainda bem, fez muito bastante sol naquele pedaço de tarde (e um calor infernal, também), apesar de uma pequena ventania.

Saímos de lá e fomos para o Orquidário Municipal de Santos, a entrada é 5 reais e ainda tem meia entrada. Achei o lugar uma delícia, cheio de árvores, deu pra dar uma refrescada naquele calor absurdo que estava. Sabe o mais engraçado? Eu vi de tudo por lá, até jacaré, só faltou ver as orquídeas, hahaha. Acabei tirando poucas fotos lá, pois foi super rápido, tínhamos que por o pé na estrada logo, então meio que voamos, quero ir outra vez lá, mas com mais calma dessa vez, pra pegar cada detalhe. Saímos de lá às três e só fomos chegar em Ubatuba às oito. Não vou negar, é uma viagem bastante cansativa, eu só queria dormir quando chegamos.

No dia seguinte, chuva! Estava tentando me manter animada, apesar do dilúvio e do friozinho lá fora, mas é aquela velha história “a gente sai de Curitiba, mas Curitiba não sai da gente”, e apesar de eu amar o friozinho típico da minha cidade, eu estava lá para fugir da rotina, e não tinha levado nenhuma roupa de frio (super esperta). Aproveitamos o tempo pra fazer o necessário, fomos ao mercado fazer compras pras nossas refeições, e depois demos uma volta de carro pela beira mar, para conhecer. A tarde fomos até o Aquário de Ubatuba. Na frente tem um esqueleto de baleia jubarte enorme que ficou encalhada na praia lá e acabou morrendo.

Achei a entrada um pouco salgada, se não me engano foi 28 reais. O Aquário é legal e eles fazem um trabalho bem forte de sensibilização sobre a preservação dos mares, principalmente com o público infantil. Lá eles tem desde tartarugas e jacaré a águas vivas, pinguins (eles são uns fofinhos, ficam nadando de lá pra cá), até arraias e um tubarão. Ando um pouco desacreditada de lugares de atrações animais, mas lá me pareceu um lugar de muito respeito com a vida marinha, eles realizam muito estudos e trabalhos dessa área, sempre alertando a população sobre a importância de não jogar seu lixo nas águas, entre outras coisas. Depois aproveitamos para dar uma volta no centrinho, tomar um sorvete e conhecer.

Bem, esse é o final da primeira metade. Peço desculpa pela qualidade de algumas fotos, pois acabei tirando quase tudo com o celular. Eu levei a câmera na viagem, mas acabei só saindo com ela em Santos, por uma questão de logística e também por medo de ficar andando com ela, já que na praia, principalmente, deixamos as coisas por lá e íamos pra água. Até o próximo post!


0 comentários