23

fev
Minha história capilar e como aprendi a controlar as madeixas
em BelezaPessoal

Fala-se muito em auto aceitação e empoderamento nos dias de hoje, não apenas por ser um assunto da moda, mas porque realmente é algo importante pra caramba. Confesso que ainda tenho algumas confusões com os termos vez ou outra, eu acho que é muito importante sim a gente aceitar quem somos e como somos, mas há aquela linha tênue e muito delicada entre aquilo que fazemos porque não nos aceitamos da maneira que somos e o que fazemos porque realmente queremos e nos sentimos melhor fazendo, e isso às vezes acaba se confundindo por si só.

Eu admito que sempre me gostei mais de cabelo liso, portanto, fui escrava da chapinha durante um bom tempo, mas nunca deixei que isso me afetasse a ponto de não sair de casa se não estivesse de chapinha, de vez em quando eu até resolvia usar ele ao natural, (o que durava no máximo uma semana), mas era, de fato, com o cabelo liso que eu me sentia mais bonita, quando eu me olhava no espelho e gostava mais do que via. Meu cabelo já teve vários aspectos, mas num geral ele sempre foi muito “armado”, um pouco sem forma e com muito frizz, é uma mescla de cachos indefinidos e outros mais definidos (em 2011, como na foto acima, ele estava mais cacheado), o que chamaríamos, na verdade, de ondulado, mas definitivamente bem longe do liso, então, meu maior trabalho era pra conseguir controlá-lo. Cheguei a fazer progressiva umas duas vezes, mas não diminuía a trabalheira pra cuidar, já que tinha que secar com o secador, e ainda assim não ficava liso liso, acabava sempre tendo que complementar com a chapinha do mesmo jeito.

Por fim, com o verão aí, sem paciência de passar mais um ano na sofrência, afinal, quando a idade vai chegando, e o empenho vai indo embora, então não tenho mais vontade de ficar suando em bicas na frente do secador a cada lavagem, então decidi me libertar. Fui para o mar, corri, suei a cabeleira, lavei quantas vezes possível e to curtindo o meu volume, que já é bem menor que em anos atrás. Agora eu só preciso mesmo é me recuperar da franjinha ridícula que decidi cortar, pra jogar o cabelão pro lado com gosto. Na foto acima ele já estava bem mais bonito, brilhoso e com menos frizz (e estava 100% virgem), repara que eu dava uma leve chapada nas pontas.

Com isso aprendi a dar pra ele o que ele precisa, pra ajudar a controlar o volume e deixar ele mais do jeito que eu gosto. Não aplico nenhum segredo mágico, é mais um leave-in mesmo e procurar manter ele afastado do vento quando molhado, além de NUNCA, mas nunca mesmo, passar a escova. Ainda há muita falta de conhecimento sobre os cabelos ondulados, cacheados e crespos, e considero o maior erro do mundo pentear ele depois de seco, ele perde toda a forma, além de ser um grande inimigo do volume (se esse é um problema pra você). Portanto, escova/pente só com o cabelo recém saído do banho e/ou durante, que é o meu caso. E é isso, aprendi a lidar com ele e agora é só alegria. Não precisei fazer nenhum tipo de transição, pois a escova já nem estava mais no meu cabelo, uma vez que era algo que fiz só uma vez (tinha feito outra 6 anos atrás) e nem tinha pegado direito, então pra mim foi super natural. Mas se você está pensando em aderir ao seu cabelo natural e tem essa questão, indico muita pesquisa sobre o assunto, e têm ótimas blogueiras que também estão passando por esse processo, uma delas é ninguém mais que a Bruna Vieira do Depois dos Quinze, que inclusive fez esse post aqui sobre o assunto.

Finalmente consegui chegar em um aspecto que estou amando muito. Ele está com menos volume, não está tão brilhoso e sedoso como na segunda foto porque química tem dessas coisas, neah, mas num geral estou bem satisfeita. O meu cabelo é mais liso na raiz mesmo, mas as vezes eu dou uma chapadinha despretensiosa na franja porque ela está curtíssima e está em dando o maior trabalho pra deixar ela bonitinha, mas creio que quando ela crescer nem isso mais será necessário. Acho que o importante nisso tudo é você aprender o que fica bem no seu cabelo, como ele fica melhor em você e o que deixa ele mais bonito. Eu estou muito feliz com o meu.


0 comentários


12

dez
Ginger Diary: Retocando o cabelo com Alfaparf 8.4
em Beleza

Sexta-feira foi dia de eu retocar meu cabelo. Há alguns meses eu vinha usando tinturas e numerações diferentes, algumas boas, outras que não gostei tanto assim. Usei a Beauty Color normal de farmácia da última vez e, infelizmente, não funcionou nem um pouco pra mim, pois achei a cor bem fraca, acabei ficando mais loira que ruiva, e logo no dia seguinte tive que tonalizar (usei o tonalizante da Avora que já falei sobre aqui) pra dar um tapa na cor, se não fosse eu ter em casa um resto de tonalizante, eu teria ficado bem chateada. Normalmente eu uso a Alfaparf 7.4, é um tom um pouco mais fechado e deixa aquela tonalidade cobre escuro. Queria dar uma variada e abrir um pouco o tom, por isso optei pela 8.4.

Usei ela junto com a OX de 30 volumes, também da Alfaparf, que abre de 2 a 3 tons. A medida geralmente é 1 potinho de OX para uma caixinha de tinta, mas é sempre importante, antes de você pintar em casa, ler todas as instruções e separar tudo o que precisa: potinho pra tinta, pincel, luvas, a OX e pregadores de cabelo. Como essa tinta é profissional, ela vem só a tinta, a OX, a luva, entre outros, tem que comprar separado.

Eu gosto de usar essa luvinha preta da foto, ela é de látex e acho ótima porque ela não fica feia, toda manchada, como as branquinhas/transparentes, parece que tá sempre novinha. Gosto também porque ela é um pouco mais grossinha que as outras, o que a torna mais resistente, não fura/rasga com tanta facilidade.

Essa tinta é bem laranjinha, mas com o tempo fora ela vai ficando mais escura, meio cinza, roxinha, é normal, não se preocupem. Depois de misturar a OX à tinta e obter essa textura homogênea, como na foto abaixo, você já pode começar a aplicação. Lembrem-se sempre de passar em volta de toda a pela, onde será aplicada a tinta, um creminho, pois isso evita que manche muito a pele com a tinta. Tire também brincos, pulseiras, e não se esqueça de colocar uma roupa velha, que não tenha problema de sujar, porque sim, VAI SUJAR! Além disso, se atente pra tirar do local onde você vai fazer a aplicação tudo o que pode manchar, porque a tinta voa pra tudo quanto é lado, mesmo que a gente tome todo o cuidado.

Cada pessoa separa o cabelo de uma forma, alguns preferem separar a parte da frente, de trás e dos lados, pra mim desse jeito jeito não funciona, porque eu não consigo enxergar atrás, aí não dá pra eu saber se estou aplicando certo, já faço uma lambança total, desse deixo faço mais ainda. Portanto, no meu caso, separo os lados, e daí cada lado separo por parte de cima e debaixo, é como funciona pra mim, mas sempre costumo separar em quatro partes. Começo aplicando em toda a raiz, e depois vou aplicando no comprimento e nas pontas. Ah, e se você tem muito cabelo, ou cabelo muito comprido, talvez uma só caixinha e OX não dê pra você, não vale economizar, pois você corre o risco de ficar com o cabelo todo manchado, e aí não é legal, neah!? Infelizmente, quem quer ser ruiva de farmácia tem que abrir o bolso.

Olha eu linda de tinta no cabelo. Muita gente tem dúvida sobre pintar ou não a sobrancelha. Bem, se você tem a sobrancelha fininha e/ou clarinha, não tem tanta necessidade, mas a minha sobrancelha é super grossa e preta, então me incomoda um pouco, pois contrasta muito com a cor do cabelo. O problema é que dura pouco, pois a sobrancelha cresce rápido, e à medida que a gente vai fazendo ela e cortando as beiradas, lavando o rosto, a tinta vai desaparecendo, aí tem que ficar retocando toda hora. O que eu fiz foi descolorir ela toda primeiro só com o restinho da OX que sobrou no potinho. Depois, apliquei o restinho do que sobrou da preparação da tinta. E voilá, ficou como abaixo, aí resta preencher, já que a minha sobrancelha, além de tudo que já disso sobre ela, também é bastante falha. Nos outros dias, vou descolorir e passar tonalizante. Mas um alerta, isso não é recomendado, mas como sabemos que as pessoas sempre fazem mesmo assim (eu, por exemplo), é imporantíssimo fazer com todo o cuidado, pra não cair ou respingar no olho. Para preencher usei uma sombra mesmo, essa é a Antiqued da MAC, ela é bem cobre, porém é cintilante, mas não aparece muito na sobrancelha, ainda bem.

Por fim, essa é a foto do antes e depois, ele ainda não estava tão desbotado, eu havia tonalizado umas duas semanas antes, então ainda estava um pouco pigmentado, mas acho que dá pra notar bem a diferença na tonalidade, a cor mais vibrante e, claro, a raiz, que agora está da mesma cor de todo o cabelo. Uma observação, eu não mexi na cor das fotos do antes e depois, as fotos estão sem flash, e sem adição de brilho, pra trazer a colaração mais próxima do real pra vocês terem uma ideia boa de como ficou. Infelizmente estava super nublado e chuvoso o tempo pra cá, então acabou não ficando tão claro quanto eu gostaria, mas acho dá pra ver direitinho.

Por fim, é isso, mais um retoque de sucesso, adorei o tom, se na próxima vez eu tentar algo diferente, eu trago pra vocês aqui também.


0 comentários


17

out
Inspiração: Half-up Top Knot

Inspiração de hoje é o half-up top knot, também conhecido como half bun ou meio coque no Brasil. Sei que não é algo novo, já vem sendo usado de uns dois anos pra cá, mas, finalmente, resolvi aderir ao penteado esse final de semana e gostei muito. É prático, fofo e despojado, perfeito pra quem quer um look mais casual e quer sair um pouquinho da mesmice. Busquei inspirações na internet e vi que tem muitas famosas usando o penteado, de várias maneiras diferentes. Achei legal que ele fica uma graça tanto em cabelos mais compridos quanto em cabelo curto, no cabelo liso, ondulado ou crespo, ou seja, extremamente versátil. Tem várias maneiras de fazer, o que eu fiz em mim foi realmente um bem preguiçoso, mas já gostei, na próxima vou tentar um mais bem feitinho. Além das fotos, hoje também vou deixar uns links de tutorias que eu gostei bastante. É isso, espero que gostem e juntem-se ao time também!

Tutoriais: 01 | 02 | 03 | 04 | 05


Continue lendo »


0 comentários


18

ago
Ginger Diary: tonalizando o cabelo com Avora Cobre
em Beleza

Olá, tudo bem com vocês? Tinha prometido o post sobre o tonalizante Avora Cobre, que comprei pra dar uma acentuada na cor do meu cabelo pra formatura da minha prima. Eu queria a C. Kamura ou a Keraton (os quais eu já havia recebido indicação), mas não tinha nenhuma das duas na loja, então levei a Avora por sugestão da vendedora. Se não me engano paguei R$21,00 (e uns quebrados). Vamos lá!

O tonalizante é esse, ele não tem amônia, e diz possuir uma tecnologia digital 3D (não sei o que é isso, sinceramente, se alguém souber, que se habilite a me explicar, please). Feito com peptídeos do arroz e complexo de óleo essenciais, o tonalizante Avora promete deixar sua cor vibrante e seus cabelos hidratados. Gente, quando vocês vão pintar e/ou tonalizar em casa, é sempre muito importante ler direitinhos as instruções e os ingredientes, e ver se não é alérgica(o) a nenhum componente. E também vai ser o teste da mecha e o de pele.

O kit é esse aí, é o tonalizante e mais um par de luvas, bem básico e objetivo. As instruções sugerem que se lave o cabelo durante o banho (ou não) apenas com o shampoo, sem utilizar o condicionador. Tire o excesso de água dos cabelos, use uma toalha para ajudar. A sugestão da caixinha é para usar o tubo inteiro, lógico, mas eu resolvi ser rebelde e fazer como eu quiser (brinks), usei metade do tubo, aí essa semana passo o restante. Apenas fui jogando pelo cabelo e massageando com as mãos, cuidando para passar por todo ele. Uma dica boa é usar o espelho, como eu estava dentro do box do banheiro (e não tem espelho) acabei ficando cega nesse ponto, não vendo direito o que estava fazendo. O tempo de pausa é de 20 a 30 minutos, segundo a indicação na caixinha. Eu deixei os 30 minutos. Sugere-se também usar uma touca plástica, para ajudar na fixação da cor. Como eu não tinha uma touca em casa eu usei uma sacolinha plástica, daquelas que a gente usa pra por os legumes e frutas no mercado (sim). Após dada a pausa, enxágue bem os cabelos (não se preocupe, pois a água vai sair colorida mesmo) para evitar de passar a tinta para a roupa, travesseiro, etc. Finalize com um creme para pentear sem enxágue. Certo, feito tudo isso, agora vocês conferem o resultado, abaixo.

As fotos estão apenas com a luz do sol, quis tirar ambas assim pra ver melhor a diferença, na luz natural. Dá pra ver que ele estava beeeem apagadinho, neah!? Mas assim, sinceramente achei que ficaria mais vibrante. Percebe-se uma mudança e uma leve avivada na cor, sutil, porém, deu uma diferença. Talvez por não ter usado o tubo todo, quem sabe se eu tivesse usado tudo ele ficasse mais vibrante, mas vamos ver se essa semana, passando novamente o restante do tubinho, ele fica mais vibrante. Gostei do resultado, mas confesso que esperava que tivesse ficado um pouco mais vivo, mas com certeza já deu uma diferença bacana. Ao longo da jornada irei testando outros tonalizantes, outras tintas, outros tons. Espero que tenham gostado e, principalmente, que eu tenha te ajudado.

Até mais!


0 comentários