07

mar
Welcome to Riverdale

E o meu vício em séries não me dá sossego. Mal eu termino de assistir uma série nova já surge uma outra história eletrizante pra me prender. Depois do meu post sobre as séries teens de terror/suspense, achei que eu sossegaria um pouco com o gênero, mas hoje vim aqui para falar sobre Riverdale, a nova série CW, que no Brasil é exibida pela Warner Channel. Riverdale é baseada nos quadrinhos da Archie Comics, que acabou virando desenho, lá na década de 60, conhecido como a Turma do Archie, e há, também, a presença de Josie e as Gatinhas (acho que você deve se lembrar delas), no entanto, o enfoque aqui é bem sombrio. A história começa com a morte de Jason Blossom (Trevor Stines), irmão gêmeo de Cheryl Blossom (Madelaine Petsch), os jovens da família mais rica da pequena cidade de Riverdale, e sua trama se desenvolve na busca pelo seu assassino.

No decorrer dos episódios vamos acompanhando e conhecendo mais sobre os moradores dessa cidade e percebendo que todos os personagens se escondem por trás de segredos e mentiras (o que torna a história ainda mais interessante) desde o protagonista Archie Andrews (K.J. Apa), que sonha em viver de sua música, até os controladores pais de Betty Cooper (Lili Reinhart), melhor amiga e vizinha de Archie. É, também, logo no primeiro episódio, que somos apresentados a Veronica Lodge (Camila Mendes), uma patricinha recém-chegada de Nova York, após seu pai se envolver em em escândalo nacional, e a Jughead Jones (Cole Sprouse), melhor amigo de Archie, o esquisitão da cidade.

Sei que tudo isso tem um que de Pretty Little Liars, mas por mais que soe como uma série adolescente de mistério brega e totalmente clichê, ela tem um potencial enorme, uma história intrigante que, se bem desenvolvida, pode se tornar seu mais novo vício. Confesso que já estou bem viciadinha, mas se você ainda não se convenceu, talvez os 92% nas top críticas do Rotten Tomatoes te convença, a crítica tem falado super bem da série na gringa, e isso inclui o New York Times e o Washington Post, mas óbvio que você não é obrigado a gostar também, mas quem sabe isso te instigue a pelo menos dar uma chance pra série.

Riverdale vai ar todas as segundas-feiras às 21h40 com reprise aos domingos às 09h20.


3 comentários


20

fev
Conheça: Louane

Esse post é pra quem gosta de música (faz tempo que não falo sobre isso aqui), pra quem gosta de conhecer música nova, mas principalmente pra quem quer sair da zona de conforto e ouvir algo além do inglês e do português. Eu amo inglês, amo músicas em inglês, e elas foram a peça chave pra que eu aprendesse a língua, e confesso que sempre tive um pouco de preguiça de ouvir canções que não eram em inglês ou português. Sentia uma certa estranheza, além de me incomodar um pouco ouvir uma música que eu não consigo entender, até que conheci a Louane.

Louane Emera, ou apenas Louane, é uma cantora e atriz francesa de apenas 20 anos, o som dela é pop e algumas canções são bem chiclete (apesar de não saber a língua). Ela ficou conhecida na França por sua partição na edição de 2013 do The Voice francês, em que chegou até a semifinal. Em 2014 Louane estreou na carreira de atriz, com o filme La Famille Bélier, pelo qual ganhou o César de atriz revelação. O César, pra quem não sabe, é o equivalente ao OSCAR lá da França. Seu primeiro álbum, Chambre 12, lançou em 2015 e é cheio de músicas super gostosinhas. Confiram algumas:

Ela tem uma voz super doce e é muito fofinha. As minhas músicas favoritas são Avenir, No Secrets e Jour 1. Agora só me resta aprender a cantá-las (o que já estou providenciando). A minha dica está aí, aliás, é uma ótima dica pra quer quer aprender francês, eu aprendo muito melhor com música e filmes. O que acham?

Espero que tenham gostado da indicação, eu estou bem viciadinha, vou lá continuar treinando meu francês. Até mais!


0 comentários


17

fev
Precisamos falar sobre Lion
em Cinema

Estive frenética na minha maratona do OSCAR durante esse mês e devo dizer que, ACABEI! Basicamente, na verdade falta um filme e mais dois da categoria de animações. UFA! Mas a gente precisa falar de um filme que me ganhou, e apesar de eu não nutrir nenhuma esperança de que ele vá ganhar o prêmio principal, o que importa é que ele me tem e que por mim daria todos os prêmios pra ele (ao todo são seis indicações, incluindo melhor filme). Eu estou completamente apaixonada por essa história. Eu tenho amado que essa temporada está cheia de histórias reais incríveis e maravilhosas, Lion é uma delas, e minha favorita.

A história começa na Índia na década de 80, com o garotinho Saroo e seu irmão mais velho, Gudu. O menininho que faz o Saroo pequeno é a coisa mais fofinha, ele é apaixonante. Eles vivem em uma região bem pobre e saem para trabalhar para ajudar sua mãe em casa, até que um dia Saroo se perde de Gudu, e não o encontra mais. Depois de algum tempo, Saroo é adotado por um casal australiano e se muda para Melbourne, onde termina sua criação, então somos apresentados a um Saroo já crescido, na pele de ninguém menos que meu britânico-indiano favorito, Dev Patel (que tá todo homão da porra, com todo respeito).

Aliás, ele recentemente ganhou o BAFTA de melhor ator coadjuvante por esse papel, e eu não poderia estar mais feliz, acompanho esse menino desde Skins (eu vi ele crescer – profissionalmente), e não vou negar, Anwar foi e sempre será meu personagem favorito dessa série amorzinho. Então, Saroo cresce, e após conhecer alguns colegas de curso, que são indianos, essas lembranças de sua infância na Índia começam a ficar cada vez mais fortes e ele decide ir atrás de sua família biológica. Mas há nisso tudo um mix de culpa, medo, tristeza, tudo em um bolo só, Saroo fica com um nó na cabeça, e ainda lutando pra não afastar a namorada com todo esse turbilhão de emoções que está rolando na cabeça dele.

Esse filme é sobre família, sobre a busca por uma identidade perdida, mas, sobretudo, é um filme sobre amor. E é tão linda e tão intensa essa trajetória para encontrar o caminho de volta, o Dev teve a sensibilidade necessária para esse papel, de se perceber no meio disso tudo, de se perder junto com o personagem. E o que falar da Nicole Kidman, maravilhosa, soberana, sambando na cara da sociedade. Que mulher foi Sue Brierley, que história ela proporcionou para o mundo! Sim, eu estou loucamente apaixonada nesse filme desde que assisti, ele estreou ontem nos cinemas e é encantador, indico altamente pra todo mundo. Que filmão! Por hoje é só, espero que gostem tanto quanto eu e vamos torcer juntinhos.


5 comentários


26

ago
A beleza de ‘English Rain’, álbum de Gabrielle Aplin

Há mais de um ano já lançado e só agora eu vim falar pra vocês sobre ele. E olha que eu já prometi aqui algumas vezes. Já era pra eu ter apresentado ela por si só há mais tempo ainda, mas façamos tudo em um único post. Você pode nunca ter ouvido falar dessa inglesinha fofa, mas não é por isso que você não vai querer saber mais sobre ela. Gabrielle Ann Aplin tem 21 anos e tem feito sucesso para as bandas de lá da terra da Rainha com músicas cheias de alma e inspiração. O estilo dela é um indie-folk mais doce e romântico, suas músicas são calmas, sua voz é suave e suas letras profundas. Gosto quando uma música me toca pela sua simplicidade, e forma como Gabrielle faz isso é impressionante.

Seu primeiro álbum veio em maio no ano passado, e chega aos nossos ouvidos como um lençol de seda toca nossa nossa pele, e penetra como a chuva fria do inverno, eis um nome perfeito para o mesmo, English Rain. Confesso que por alguns meses, após uma desilusão amorosa, não consegui ouvido, pois seu efeito é tão cortante que eu sabia que me faria chorar por horas a fio. Se você nunca ouviu canção alguma dessa garota, não deixa pra amanhã, faz isso já! A Gabrielle é essa lindinha da foto abaixo, e pode ser que vocês ainda ouçam sobre ela, eu espero que sim. O álbum se manteve no topo das paradas no Reino Unido, e se ela está bombando por lá, é bem possível que logo espalhe seu sucesso aqui. Esse ano ela esteve na line-up apenas do maior festival ao ar livre do mundo, o Glastonbury.

E pra minha sorte todas as minhas favoritas do álbum (Salvation, The Power Of Love, Home, Panic Cord e Please Don’t Say You Love Me) viraram singles, e como eu não vou resistir, postarei todos os videoclipes aqui =)

The Power Of Love

Home

Salvation

Panic Cord

Please Don’t Say You Love Me

Gabrielle compôs uma música para o episódio da personagem Cassie de Skins em Skins Pure. E a última canção acima foi incluída na playlist da Cassie. Viu só, a garota está com tudo. Enfim, é isso por hoje, já conheciam a Gabrielle? Se não, o que acharam? Gostaram? Espero que sim. Beijos e até a próxima!


5 comentários